20 de novembro de 2010

Substantivos: primitivos e derivados

Todo substantivo primitivo carrega consigo uma ideia original e também uma forma básica e radical que serve à derivação. A derivação, por seu turno, é morfológica, formal, mas necessariamente um ajustamento de sentido reverente à base. Em forma, a derivação deve ser sempre fiel; em ideia, ela pode realizar alguma fuga de sentido. Portanto, o substantivo laranja é primitivo por carregar em si a ideia inicial de um fruto que está em seu limite, em sua mais estreita restrição morfossemântica. Os seus derivados carregam a sua base laranj, mas essa derivação traz consigo restrições morfológicas de base e de raiz e implicações semânticas irrevogáveis, apesar de que, em termos semânticos, como já admiti, a transgressão possa existir, vez que na formação de um novo vocábulo um novo morfema modifica a natureza de uma base. 

By Ana Cláudia de Oliveira from Picasa Web Album
A base de uma palavra primitiva é o conjunto daquelas letras orientadoras e capazes de formar palavras novas segundo o uso que o falante faz da linguagem que detém, a base da palavra laranja é laranj-. Quando digo palavras novas, é importante observar que, dentro do arcabouço linguístico de cada falante, é ele e é a partir dele que se realizam as "invenções" neomorfológicas permitidas segundo uma regra internalizada. A raiz é a base mais profunda, morfema e semantema, donde o signo nasce como forma e significado, sendo que nem sempre essa raiz é igual à base de um substantivo. À guisa de exemplo, temos laranja, um substantivo primitivo, temos também laranjal, substantivo derivado. Em laranja, base e raiz são as mesmas: laranj. Em laranjal, à inserção do sufixo -al, com ideia predominante de conjunto ou plantação, obtemos a ideia de um pomar com pés de laranja. No entanto, analisemos a palavra flor, substantivo primitivo e analisemos também florista, substantivo derivado, e, por fim, analisemos floricultura. No primeiro exemplo, a base e a raiz inicial é flor, daí formamos florista e flora, porém floricultura possui a raiz flor- e a raiz cultur- em uma mesma palavra, mas por ser uma palavra potencialmente morfossemântica possui sua base particular e autônoma floricultur-, pois é a partir dessa nova base e não de suas raízes é que podemos formar uma nova palavra derivada floriculturista.

By wwarby from Flickr
A base ou a raiz da palavra, vistas já as nuances e diferenças as mais sutis, exercem seus imperativos fonéticos também à palavra derivada. Observemos relógio e relojoeiro, uma palavra primitiva e uma palavra derivada. A base é relog-, mas porque na palavra derivada possuímos um j em vez de um g como na base morfossemâtica da palavra? Ora, porque nesse caso o fator fonético deve prevalecer em vista da ortografia - aliás a ortografia é a parte da língua mais suscetível a mudanças e vicissitudes, isso ocorre naturalmente devido ao dinaminsmo da língua ao longo dos tempos, à força social de comunicação e às cambiantes convenções. O som fricativo representado pelo símbolo fonético ʒ  deve prevalecer na palavra derivada, se mantivéssemos o g a palavra seria lida sem esse som como #relogoeiro

Enfim, as palavras primitivas carregam em seu cerne um sentido e uma forma indivisíveis, quando encontrada uma base forte e produtiva - como daremos exemplos a seguir das duas possiblidades - é possível afirmar que a importância de tal palavra, conceito, ideia, produto ou objeto seja relevante e atuante para a sociedade e dentro dela, seja essa palavra-base concreta ou abstrata. Uma base só é produtiva de acordo com a necessidade socio-histórica de que os falantes de uma determinada língua possuem em acatarem e fazerem uso dessas palavras advindas de fortes ideias e bases, parâmetros sólidos e novidades de nosso tempo.

Substantivos Primitivos de Base ou de Base Mista Produtiva: pedra, laranja, café, jornal, capital, livro, mercado, paz, indústria, papel
Substantivos Primitivos de Base ou de Base Mista Pouco Produtiva: jegue, genipapu, açai, telégrafo, pélago, pulsar, quasar, gel, framboesa, mosto, húmus e outras palavras primitivas que possuem existência isolada e autônoma.
Substantivos Derivados Advindos de Base Produtiva
                             pedreiro, pedraria, pedregulho, pedrada, pedreira, pedregal,
                             laranjeira, laranjal, laranjada
                           cafeicultura, cafeicultor, cafeína, cafezal, Café, cafeteria, cafeteira, cafeteiro
                             jornalista, jornaleiro, telejornal, jornaleco, jornalismo
By DRB62 from Flickr
                               capitalismo, Capital, capitalização, descapitalização
                               livreiro, livraria, livrada, livresco, livreco
                               mercador, mercadologia, mercadista, mercadoria, mercadejar
                               pacífico, apaziguamento, apacificar, pacificador, pacificação, pacifismo
                               industrialização, industriário, industrialismo
                               papelada, papelaria, papeleiro, papelão*, papeleta, papelismo, papelote*


Muitos outros substantivos primitivos possuem base produtiva, aqui apenas alguns exemplos. Em * observa-se um desvio semântico ao qual eu aludira anteriormente, pois papelão e papelote se distanciam um pouco do papel no dado sentido que conhecemos, embora papelão possua a mesma matéria-prima de papel. Na verdade, papelão pode ser também um ato vexaminoso que alguém tenha cometido, mesmo porque papel pode também ser uma atuação cênica e não simplesmente a matéria-prima papel. O fato de um substantivo não gerar com a sua base ou raiz outros substantivos derivados não descarta sua importância para a língua ou para as possibilidades de criação dessa língua. Por outro lado, se a produtividade de substantivos derivados é um fenômeno que deve ser analisado sócio-historicamente, não seremos nós a contarmos uma a uma que bases e que raízes produzem mais palavras tampouco analisar os seus motivos, daria sim uma boa dissertação de Mestrado ou uma tese de Doutorado, caso isso já não tenha sido exaustivamente pesquisado.

O fato é que nenhum fenômeno linguístico acontece isolado ou a par de seus atores intimamente implicados nesse processo: os falantes e escritores de nossa língua.

E tudo não passa de teorias.

3 comentários:

  1. Boa Tarde Eu Estou No 4° Ano Do Ensino Fundamental Minha Professora Passou A Materia De Primitivo E Derivado E No Para Casa Está Pedindo 3 Derivados De Hospital E No Meu livro Não Contém Os Derivados Quais São Os Derivados De Hospistal? Muito Obrigado

    ResponderExcluir
  2. Hospitalidade (substantivo derivado); hospitalar e hospitaleiro (adjetivos).

    ResponderExcluir